DEIXE A SUA MARCA

Em um mundo no qual as marcas dizem buscar cada vez mais humanização, é curioso notar que as pessoas estejam se transformando cada vez mais em marcas. E isso não é necessariamente ruim.

Uma marca pessoal é a forma como as pessoas nos veem e aquilo que percebem da gente. Não é algo restrito apenas a “influenciadores”, e pode ser construída de forma positiva e autêntica. Se usada como estratégia profissional, ajuda a criar presença e autoridade, influenciando determinado público através de quem você é e a sua visão de mundo. 

Pensando nisso, eu e o Jorge Grimberg criamos um curso sobre “Como criar uma marca pessoal”, que será lançado em breve, com vários convidados (as) especiais, em aulas ao vivo, online, com apoio do Sympla Play. O lançamento será dia 18 e se você quer ficar por dentro de tudo clica aqui.

A post shared by @carvalhando

MERCADO

Estou começando a pesquisa para organização do curso e quero compartilhar com vocês nessa news algumas coisas que venho descobrindo. A seguir, algumas curiosidades e algumas injustiças do mercado de “influenciadores digitais”:

 A internet está mudando a forma como se vende cosméticos, com pessoas que produzem conteúdo e influenciam grupos imensos. É o caso de Addison Rae, de 20 anos

Aqui como artistas estão redesenhando o significado de beleza e inclusão.

Você sabia que o youtuber mais bem pago em 2020, Ryan Kani, é uma criança de 9 anos?! 

Aqui a curiosa matéria com um guia  pré-adolescente para enriquecer no Youtube

No Brasil, o segmento com o quarto com maior engajamento do Instagram é o de pet incluencers. 

Esta matéria muito boa fala sobre como diversos produtores de conteúdo negros estão moldando e movimentando o mercado, mas infelizmente não estão levando créditos por isso.

Aqui, Egnalda Côrtes, CEO da Côrtes Assessoria e Agenciamento, fala sobre o novo momento do marketing de influência, criadores(as)  negros(as) e a força da internet na representatividade de causas sociais.

Este texto fala sobre algo que precisa acabar urgente: o racismo contra pessoas  negras criadores de conteúdo e as dificuldades da relação com as marcas. Você sabia que elas, inclusive, costumam ganhar menos do que pessoas brancas?

Matéria linda sobre a importância de artistas apresentarem  o amor queer na arte.  Eu vi na newsletter da (E)MANA


PLATAFORMAS

A terceira temporada do podcast Land of the Giants analisa como uma startup que começou com objetivos idealistas e que privilegiava a experimentação criativa tornou-se uma das mais influentes companhias da história - eu vi na newsletter MargeM

Podcasts são cada vez mais hit, mas começar um pode ser mais difícil do que parece, veja aqui

No OnlyFans, celebridades, influenciadores e profissionais do sexo dividem o espaço na rede que é financiada direto pela base de fãs. 

Até mesmo astrólogos, tarólogos e videntes entraram na onda do OnlyFans. 

Se você acha que TIKTOK é só para dancinhas, veja como artistas visuais estão usando a plataforma para criar, comunicar e monetizar seus trabalhos.

Aqui o texto que complementa o apanhado que fiz na última newsletter, sobre criptoart e como ela pode mudar o mercado.


FILME E DOCS

→ “Tina”, recém lançado na HBO Max, a cantora Tina Turner abre seu passado conturbado e coloca o filme como  o ato final na vida pública antes de sair de cena.

→ “Can I be me”, o documentário sobre a vida de Whitney Houston não é novo, tem como título a pergunta, que continua ecoando como uma súplica, por um vida autêntica e é uma aula sobre as consequências de viver uma vida na qual não se pode ser quem se é. 

→ “Fake Famous”, disponível no Youtube, sobre a tarefa de transformar pessoas comuns em celebridades na internet. O melhor filme que já vi sobre o tema. 


LEGADO

Deixar uma marca no mundo também tem muito a ver com construir e deixar um legado. Muito mais do que ser ou  fazer algo importante (o resto será consequência). 

Este encontro de Rita von Hunty com o padre Júlio Lancelotti é algo que me faz acreditar que aquilo que fazemos pode ter impacto no mundo. 
Logo no início, Rita cita um texto bem impactante da escritora americana Toni Morrison, intitulado "Não há lugar para a autopiedade, não há espaço para o medo", sobre a importância de não sucumbir em tempos absurdos como o que estamos vivendo. Eu vi na newsletter da @cilmaperestroika.

Ricardo Galvão, ex-diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, que se tornou símbolo da luta contra o negacionismo no Brasil, fala sobre o futuro. Ouça aqui 

Leia aqui a entrevista com Henrique Fogaça e seu projeto a favor do uso medicinal da maconha.

Como pessoas magras podem ajudar na luta contra a gordofobia.


LIVRO

Aqui uma lista com livros para entender a história recente da internet. O meu preferido é Falso Espelho, de Jia Tolentino, publicado no Brasil pela Todavia, que traz ótimos ensaios sobre internet que podem ser relacionados à responsabilidade da influência nos dias de hoje.


PARA SEGUIR 

Alguns perfis no instagram que tratam o assunto com humor, ironia e trazem um pouco da realidade - e responsabilidade - de produtores de conteúdo:

@deathofinfluencer  - iniciativa da marca @mschf para “democratizar a influência”.

@desin_fluencer - a farmacêutica Pricsila Rezende traz uma crítica séria principalmente sobre influenciadoras de lifestyle e beleza.

@mariabopp - a blogueirinha do fim do mundo trata de assuntos relacionados à política e influência.

@shitbloggerspost - alguém que pesquisa e relaciona fotos de pessoas iguais, fazendo poses iguais, em lugares iguais… 

@nao.tenhoroupa - é o perfil de uma loja de aluguel de roupas, mas que traz um conteúdo bem inspirador.

Bônus: entenda aqui a importância do humor para um mundo mais criativo


PARA APRENDER

Alguns perfis no instagram que tratam do assunto de forma séria e relevante.

@instayoupix - consultoria de negócios para a economia da influencia.

@_oclb - fala sobre o universo de marcas e experiências, mas pode também servir de inspiração para conteúdos de marcas e pessoas. 

@ooo.agency - um hub criativo que traz bastante inspiração e informação para a comunidade criativa. 

@mjournal - referência de conteúdo criativo e inovador bastante inclusivo.

@contente.vc - primeira plataforma de conteúdo e mídia por uma vida digital mais consciente.

@co_phy - conexões phygitais com trabalho, educação e criatividade.

@suecoitunho - para uma internet slow content e que nos venda menos coisas.


CURSO

Se você se interessou pelo curso, no dia 18, eu e o Jorge Grimberg vamos fazer um “aulão” online, compartilhando algumas das tendências e movimentos que estamos percebendo nesse mercado. E lá vamos contar mais sobre o curso também. Clique aqui para se inscrever no aulão.

A post shared by @carvalhando

Em tempo: meu novo livro "Como salvar o futuro" acaba de chegar na Amazon em versão impressa e está em primeiro lugar na categoria desenvolvimento sustentável (!). Agradeço demais quem já comprou. Quem se interessar, pode comprar aqui